13/09/11

conversas no elevador

hoje estava a entrar no elevador e uma das minhas vizinhas chegou também com a filha (de 1 ano) ao colo e disse-me bom dia. Acho-a muito simpática mas encontramo-nos uma meia dúzia de vezes, sempre com as catraias no elevador (ela tem duas). Hoje a bebé dela riu-se e ela comentou que a Maria tinha sorte que ainda ia a dormir e a filhota dela ia para o infantário e que a Maria estava grande e tal e coisa. Até aqui nada de novo. Mas do nada disse-me, a minha sorte é que a C. já me ajuda muito, porque agora somos só as 3. Eu ouvi, mas passei à frente. Depois, quase a chegar à garagem voltou a dizer-me, agora com todas as letras, que estava separada. Devo ter feito uma cara das minhas (transparente) que a levou a dizer: "Não lamente. As coisas já não estavam bem há muito tempo. E a decisão foi minha. Foram 10 anos e eu já não me lembrava de ser feliz!". Sorri. E ela continuou: "Já há muito tempo que sentia que nós éramos pai e mãe em doses diferentes. Eu presente. Sempre. Ele ausente. Sempre. E não dava mais."
E o que me perguntei no segundo depois de ela entrar para o carro dela eu seguir para o meu, e nos despedirmos com um alegre bom dia! foi o que a terá levado a contar-me aquilo. Porquê? Se me conhece tão mal. Devia precisar de falar. E eu ouvi-a.

8 comentários:

aloucura disse...

cm eu a compreendo. e sim, há muita necessidade de falar. sbtd quando se sente alg proximidade, pelo facto de serem vizinhas, ou terem as duas crianças pequeninas...

Dinastia FilipiNHa disse...

Ai amiga, até me arrepiei. Não pela separação, que hoje é o prato do dia. Mas pela necessidade que as pessoas têm de falar... Parece que vivem sozinhas... Onde está a família, os amigos? Espero que a tua vizinha esteja agora mais feliz!

Bjs

Tete disse...

É porque da meia duzia de vezes que te viu tera confiado em ti e ter-te-á avaliado e percebeu q eras boa pessoa, q nAO es cuscuvilheira e confiou em contar.
E talvez ate em jeito de desabafo, talvez por nao conhecer mais ninguem no predio ou relacionar-se ou nao ter muita gente...

Beijocas

Cleia disse...

Às vezes acho que a muitas pessoas falta ter atenção. De alguém.
E qdo ela dasabafa num elevador, com uma vizinha que mal conhece, se calhar está aí um dos porquês da separação.
(Felizes de nós)
:)

A vida ao pormenor disse...

Faz bem ouvir quem precisa ;)

mari disse...

:/ ... que situação triste, espero que ela consiga ser feliz agora :)

Mamã da Caroxinha disse...

Fizeste bem em ouvir, ela deve estar a passar uma fase difícil...o mais provável é das poucas vezes que se cruzaram ela ter achado que és de confiança e também como mãe de uma criança pequena se calhar achou que a entendias...
Ao que a humanidade chegou, a necessidade de ter alguém com quem falar hoje em dia é muita para algumas pessoas; parece que não há família ou amigos disponíveis para ouvir...

Mãe Feijoca disse...

aiiii meu Deus! a solidão leva-nos a tudo e nao tenho duvidas nenhumas de que a tua vizinha esta completamente sozinha na vida, e nao deve ser nada facil.