27/02/13

I have a dream

Sinto-me como um criança na véspera de Natal. E ainda faltam uns dias...
Tenho a cabeça cheia de ideias. Tantos projectos que quero fazer. Tantos projectos que ainda desconheço e que vou querer fazer. Tenho dormido menos e tenho acordado sempre a pensar nas novidades que se avizinham.
E o tempo, esse malandro que me foge das mãos como os grãos de areia com que a princesa tanto gosta de brincar na praia.
 
Acho que nunca o disse antes. Menos ainda o escrevi. Mas já tinha pensado no assunto. A verdade é que gostava de ser dona do meu tempo. De deixar de conviver com pessoas tóxicas. De ter que pedir desculpa por ser mãe e ter que sair a horas minimante decentes porque a minha filha está doente (não peço nunca... mas fazem sentir-me por vezes que devia). Isto do equilibrio da vida pessoal com a vida profissional é complicado. Mais ainda com duas vidas profissionais.
Sempre fui apaixonada pelo que faço. Acredito com todas as minhas forças nas minhas capacidades enquanto profissional de marketing e comunicação. Sem tangas nem rodeios. Conheço o meu valor. Sei o que faço bem e o que tenho que melhorar. Mas dou por mim a pensar em como abdicaria sem pestanejar desta minha vertente profissional se pudesse. E se posso? Teoricamente podemos todos. Mas não.  Não posso. O meu ordenado faz-me falta. Aliás, faz-nos falta. E sair de um porto seguro sabendo que há tempestade no mar deve ser loucura. Não? O que fariam os nossos descobridores que deram novos mundos ao mundo? Pois.
 
Hoje sonhei que tínhamos um sítio nosso. Só nosso. E sonhei com as paredes, a cor das prateleias, os pormenores dos tecidos. O desenho das cadeiras. É engraçado como estas coisas me levam para a frente e me levam para um amanhã que contrasta com a crise lá fora. Que é branco. E lindo. E cheira a flores frescas. E tem polka dots e tecidos às flores. Tal como eu gosto. E uma janela grande com uma fina cortina branca. E eu gosto de sonhar com este amanhã. Ainda que ele não chegue nunca. Pelo menos não da forma perfeita como com ele sonhei. Deve ser por isso que se chama sonho.
 
E como escrito assim, pode ser que passe despercebido, o jeito que me dava arranjar um cantinho lá em casa para as minha coisas. Um micro escritório servia. Mas como raio vou eu conseguir encaixar ali, num T2 onde moramos 3, um escritório? Podia roubar um pedaço à minha sala e colocar uma parede falsa (e cravar o meu irmão para fazer isto). Podia colocar uma cortina a dividir um pedaço da minha sala e colocar ali os meus tarecos com uma mesinha. Ou então vender ou reciclar (deitar para o lixo) a tralha de uma vida que tenho nos meus arrumos, pintá-los todos de branco e comprar um bom aquecedor e instalar-me por lá...
 
Sonhar não custa minha gente. E sem sonhos a vida não é (mesmo) a mesma coisa...
 
 

5 comentários:

Ana disse...

é mesmo assim Patrícia... sonhar faz o mundo avançar... e não custa! tenta arranjar o teu canto... é mesmo importante sentir que tens um sitio em casa onde podes desenvolver as tuas ideias! beijos

Vânia e Mariana disse...

Revi-me tanto nas tuas palavras....
Sei exatamente o que queria, mas para já esta completamente fora de questão....mas sonhar faz bem e não paga imposto :)

beijinhos,

patricia vilas boas disse...

Sao posts como este que me fazem admirar-te ainda mais!! nem sabes o bem que me fazes!! Ando numa fase muito má... e gostava tanto de sonhar com um amanha colorido... gostava tanto que e vida, o universo whatever pelo menos 1x recompensasse minha luta....

Um beijo enorme e muita sorte da boa!!! Dizem os entendidos que quando queremos com muita força as coisas elas acontecem ;)

Chris ♥ disse...

E como o poeta diz, sempre que o Homem sonha o Mundo pula e avança!!!

Dinastia FilipiNHa disse...

Eu acho, acredito mesmo, que o teu sonho se vai concretizar. Vais viver unicamente do teu sonho, vais ter as bolinhas, a cortinha branca, a janela grande. E eu vou adorar ver-te/vos crescer!

Beijinhos